JORNAL MILENIO VIP

Colunistas - Neuza Carion

Perfil

Publicado na edição 105 de Agosto de 2010

Era um homem sério, reservado, discreto - poucas palavras, gestos comedidos, parcos sorrisos. Mas gostava de crianças, era paciente com elas, fazia os filhos (depois os netos) dormir cantarolando marchinhas de Lamartine Babo. Era severo, mas amoroso. Não comprava afeto com presentes, mas jamais esqueceu um aniversário, uma data importante. Não precisava tolerar erros e abusos porque nunca deixou de fazer a sua parte.

Era um homem amável. Jamais precisou erguer a mão, ou mesmo a voz, para impor limites – bastava seu olhar, habitualmente sereno, para inibir qualquer rebeldia. Naturalmente elegante, jamais ouvi de sua boca uma palavra chula, ou mesmo vulgar. Jamais um gesto sequer inconveniente.

Era um homem de Ciência, mas gostava de esportes e os praticou quando ainda não era moda. Foi um leitor eclético e era amante da música. Era - definitivamente - conservador, mas acompanhava as mudanças de seu tempo e quando não podia (ou não devia...) se adaptar, ao menos não as negava, não fingia que não estavam acontecendo. E jamais fechou o leque de interesses exclusivamente em seu campo profissional: tinha saberes e fazeres diversos.

Era um homem bom e, não sendo religioso, tinha uma idéia clara de moral e ética. Foi principalmente seu exemplo que me deu a noção do que é honestidade, fidelidade, lealdade, responsabilidade.

Era um homem de hábitos e gostos simples e postura digna. Nunca se engrandeceu, nem quis parecer mais do que era, nem buscou obter vantagens ou benefícios pessoais. Nunca recusou atender a quem precisasse da ajuda de seu conhecimento profissional.

Era um homem com qualidades e defeitos, como todo mundo, claro, mas soube domar seus demônios e mesmo agora, tantos anos depois de sua partida, não há uma só vez em que minhas lembranças dele não sejam de admiração, respeito, amor.

Nestes tempos em que se assiste a tantos exemplos tristes, a tantas tragédias, me sinto gratificada por ter recebido a bênção da presença dele em minha vida. E é por isto que peço permissão para compartilhar com quem lê este perfil visto com o olhar da saudade, mais forte nestes dias em que se comemora o Dia dos Pais. Que seja um dia feliz, com amor, com harmonia, com muitas demonstrações de carinho e a construção de boas memórias para todos.

Neuza Carion
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui