JORNAL MILENIO VIP

Colunistas - Moisés Queiroz

LIDERANÇA VERTICAL

Publicado na edição 110 de Abril de 2011

Muitas das vezes quando nos deparamos com “chefes” onde suas atitudes resultam em grandes estragos para as empresas onde trabalham, poderiam ser evitados se tivessem um pouco de atenção em ouvir seus subordinados. Porém, a sua “distância” daqueles que são julgados incapazes de alguma forma ajudar nesse processo, os tornam isolados em virtude de seu próprio egocentrismo.

Parafraseando o General WILLIAM CREECHI  - “NÃO HÁ PELOTÕES FRACOS, APENAS LÍDERES FRACOS”.

É bom lembrar que o BEM mais precioso em qualquer Empresa ou Organização é o seu PESSOAL, por isso lembramos que a atuação do líder é a marca entre o fracasso e sucesso de sua Organização.

Se o “chefe” soubesse o que ele poderia realizar em sua empresa caso tivesse uma equipe leal, motivada e trabalhando com entusiasmo, certamente sairia da “BOLHA DE ISOLAMENTO” em que vive e começaria a realizar o velho trabalho de uma nova maneira. Lembre-se: se você faz a mesma coisa, da mesma forma, há muito tempo, provavelmente estará fazendo alguma coisa errada.
LIDERANÇA VERTICAL visa contribuir de maneira eficaz para os administradores que se disponham a fazer uma auto-análise de seu desempenho como chefe ou como líder.

VOCÊ GOSTARIA DE SE TORNAR UM LÍDER?

Nas várias Organizações em que já trabalhei tive a oportunidade de observar várias lideranças, porém, poderia contar em poucos dedos da mão aqueles que nós  intitulávamos-os como líderes.

Sempre menciono em minhas palestras que o que mais se destaca na personalidade do LÍDER não é o respeito como é visto por seus subordinados, mas sim a admiração daqueles que o observam.

Já ouvi alguns funcionários exclamarem “com ele vou até para a guerra”. Porém, em contra partida já tive o desprazer de ouvir de um determinado chefe – “ este grupo, é um grupo de bosta”. Sendo questionado imediatamente, como poderíamos descrever um “chefe”de bosta?

Bem, caro leitor, a partir daí podemos começar alguns questionamentos a respeito de como desenvolver uma liderança genuína e eficaz. Mas, o que seria uma liderança eficaz? Poderíamos dizer que a liderança eficaz é aquela que trabalhando junto ao seu pessoal de maneira humanística, poderia alcançar resultados extraordinários para nossa empresa. É procurar fazer do seu dever, o seu prazer. Creio que esta seja uma boa fórmula para obtermos sucesso naquilo que fazemos.

QUESTIONAMENTO
   
Os chefes estão dispostos a serem questionados?
O LÍDER sim.
Os chefes estão dispostos a serem avaliados por seus subordinados?
O LÍDER sim.
Sabem  por quê?
O chefe em seu íntimo sabe que conduz  a coisa de maneira equivocada.
O LÍDER, além de estar disposto a ouvir, ele tem coragem, principalmente, coragem moral para ser questionado e ou avaliado.

Quantos “chefes” já colocaram a culpa pelo fracasso de determinado projeto em seu grupo. Porém, se tal projeto fosse considerado um sucesso, esse mesmo “chefe” logo exclamaria “me deu muito trabalho, noites em claro, mas consegui”.
Essas atitudes são tremendas para aniquilar qualquer grupo, qualquer possibilidade ou qualquer coisa.
 
“CHEFE” DIZ -   LÍDER, MOSTRA O CAMINHO 
“CHEFE EXPLODE”-LÍDER ARGUMENTA, DEMONSTRA  EQUILÍBRIO


A CONTRA PARTIDA DO “CHEFE” E SUAS CONTRADIÇÕES

Em diversas organizações em que já trabalhei pude observar “chefes” que cobravam lealdade a si próprio  e a empresa,  porém, não eram leais aos seus subordinados. Cobravam comprometimento, mas não eram comprometidos com sua empresa. Cobravam de tudo, porém, não faziam nada.

É bom lembrar que os melhores avaliadores são aqueles que estão abaixo na escala hierárquica, pois quem está acima, está preocupado em mostrar-se ao seu chefe de maneira diferente de quem ele realmente é.

BAIXANDO O NÍVEL

Tive “chefes” que achavam que estariam se nivelando aos seus subordinados, utilizando-se  de palavras de baixo calão.

Certo dia, enquanto aguardava determinado gerente para assinar alguns documentos, pude observar que ele estava mantendo diálogo com outros funcionários derramando um verdadeiro dicionário de palavrões. Enquanto aguardava já um pouco chateado com sua demora e pelos palavrões que era obrigado a ouvir, esse tal gerente percebendo minha insatisfação perguntou-me se eu não me agradava de seu modo de dirigir-se aos demais. Perguntei-lhe se poderia ser sincero e o gerente me disse que deveria. Sendo assim, coloquei meu ponto de vista e disse: “Na realidade, quando usamos palavras de baixo calão para nos comunicar com os funcionários, além de demonstrar que somos de baixo nível, estamos dizendo que aquele grupo com quem estamos mantendo uma conversação também é de baixo nível”. Após o meu parecer, ele assinou rapidamente os documentos e sem mais nada a declarar me dispensou. Na manhã seguinte, recebi uma ligação do secretário desse gerente, informando-me que eu deveria comparecer ao seu escritório para falar com ele. Eu, um pouco preocupado, fui até seu escritório. Chegando lá, antes que eu pronunciasse qualquer palavra, ele falou-me: QUEIROZ (como todos me chamavam), ontem eu fui advertido duas vezes, uma por você e outra por minha filha de oito anos de idade, tudo isso pelo meu jeito de falar. Por isso, a partir de hoje não falarei mais palavrões e vou mudar minha forma de dirigir as demais pessoas, independente de qualquer coisa.

Saí daquele escritório feliz por saber que de alguma forma havia colaborado para o crescimento de um ser humano e que por um acaso era um dos gerentes daquela Organização e mais feliz ainda por que mantive meu valioso emprego.

SABER FALAR É: RESPEITAR OS OUVIDOS DO INTERLOCUTOR
(isso também é virtude do LÍDER)

Moisés Queiroz
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui