JORNAL MILÊNIO VIP - O Poder da Gentileza

Colunistas - Izaura Hart

O Poder da Gentileza

Publicado na edição 114 de Agosto de 2011

Felizmente há ainda no mundo pessoas que se preocupam em usar as palavrinhas mágicas (bom dia, boa tarde, boa noite, por favor, desculpe-me, obrigado ou obrigada caso seja homem ou mulher),  na convivência com  seus  familiares  e em outras partes onde estejam.

Mas ao lado dos que cumprimentam, pedem favor e agradecem seja a pobres ou  ricos, negros ou brancos, crianças, idosos e adultos, está a grande massa daqueles que preferimos chamar de “indiferentes”, dos que preferem fingir que  não viram para não dar o seu cumprimento ou preferem não pedir favor a ninguém, como se todos tivessem por obrigação servi-lo.

Pesquisas já foram feitas e foi comprovado que os garis quase nunca são cumprimentados. Muitos deles varrem sempre as mesmas ruas pelas quais passamos diariamente e eles se tornam “invisíveis” aos olhos da maioria.

Há pessoas que entram nos consultórios médicos ou dentários e nos elevadores com tamanha indiferença pelos que já se encontram presentes que literalmente não os vê.  Estão  de tal forma absortos em seus problemas e preocupações que não conseguem olhar para fora e observar o mundo e as pessoas que o rodeiam.

Aquele que não tem o hábito de cumprimentar aos demais, experimente  fazê-lo! É excelente para “quebrar o gelo” e como meio de abordagem, não tem melhor! Dificilmente alguém não responde a um “bom dia” acompanhado de um sorriso! Quantas pessoas que estão solitárias, absortas em seus sofrimentos e preocupações, diante de um cumprimento amigável ou atencioso, se surpreendem e muitas vezes param para refletir que o mundo não é só amargura!

Ouvi um relato bem significativo que diz que um funcionário de um grande frigorífico na Noruega, certa vez ao entrar em um daqueles compartimentos gelados  para executar sua tarefa, viu que a porta fechou e ele não tinha como abri-la pela parte de dentro. Percebeu logo que ficando ali morreria congelado. Ao fim de algum tempo, não tendo como sair nem chamar alguém já estava entrando em desespero quando viu que a porta se abriu e o guarda do portão principal entrou procurando por ele.

Desta forma o empregado do frigorífico salvou-se da morte eminente. Mais tarde perguntaram ao guarda por que ele havia ido àquele compartimento. A resposta incrível foi:  - Este funcionário é o único que me cumprimenta quando chega e quando vai embora. Como lembrava  do cumprimento dele quando chegou e não recebi dele o cumprimento da saída, resolvi procurá-lo na certeza de que não havia passado pelo portão na saída.

O poder da gentileza é tão grande que é capaz  até de salvar vida, não é?

Izaura Hart
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui