JORNAL MILENIO VIP

Colunistas - Demétrio Sena

EM DEFESA DAS COBRAS

Publicado na edição 118 de Janeiro de 2012

Ainda não entendo essa perseguição às cobras, pelo ser humano, com exceção dos ecologistas. Em grande parte as religiões são culpadas, por pregarem ao pé-da-letra que a cobra tentou Eva, Eva tentou Adão e o mundo acabou no que deu... No que vemos com pesar.

Moro no meio do mato e aprendi, com a convivência, que muitos animais considerados perigosos são bem mais dóceis ou menos agressivos do que se pensa. Ao mesmo tempo, constato mais e mais que o ser humano sim, esse é perigoso e reúne o que há de pior em todos os outros animais, de forma bem acentuada. É traiçoeiro, vingativo, invejoso, peçonhento e tudo o mais, e todas essas características se agravam com o fato de não poupar o próximo; seu semelhante; a própria espécie.

Neste parágrafo, vamos nos ater somente às cobras. Elas são, de fato, peçonhentas, mas usam seu veneno para sobreviver: Caçam bichos que fazem parte de sua cadeia alimentar e se defendem daqueles que as ameaçam. Tão apenas daqueles que as ameaçam. Especialmente o ser humano.

Cheguei à conclusão de que o bicho sobressalente no ser humano é o rato. Justamente o rato, que geralmente não traz qualquer benefício ao homem. Pelo contrário, traz doenças e outros danos. Faz parte dos cenários mais caóticos e poluídos da sociedade... Aliás, me parece que os ratos nascem desses cenários. Lixo, esgoto a céu aberto, emaranhados e labirintos. Daí eles vêm e voltam , causam danos e proliferam... Como proliferam!

Mesmo com o rato que mora em nós de forma tão acentuada, o pior da cobra (acuada) está lá, bem no fundo, em conflito com o outro lado. É por isso que brigamos tanto conosco mesmos e com os que vivem ao nosso entorno. Transformamos os ambientes familiares, de trabalho e tantos outros em campos de batalha declarada ou fria. Ambientes de inveja, traição, fofocas e perseguições que visam, entre outras coisas, a usurpação de cargos, prestígios, prioridades e bem-aventuranças do outro.

As câmaras de parlamentares e os palácios de governos ilustram mais do que tudo essa realidade. Nesses ambientes existe uma hierarquia na qual os chefes são as cobras, e os subalternos, de luxo ou não, são essencialmente ratos.  

Quando as cobras saem para seja lá o que for, os ratos de câmaras e palácios fazem festa com o que não lhes pertence, com o que não lhes diz respeito e com o que não é de suas alçadas e responsabilidades. Com isso, eles poluem e danificam o que já não é tão ileso assim, tornando ainda pior o trabalho quase sempre deficitário das cobras humanas. São eles que atravancam o bom andamento dos projetos, criam burocracias e impedem que as pessoas certas se aproximem de seus chefes.

Pobres das cobras... Sendo comparadas, nesta pobre analogia, com o ser humano. Só não tenho pena dos ratos, porque eles empatam com as pessoas e não geram qualquer benefício em nenhum ambiente aqui, lá ou acolá... Somente adoecem a sociedade.

Repensemos nossos conceitos das cobras! Algo está errado nas escrituras! Foram os ratos que levaram a humanidade a pecar! Visite uma câmara, um palácio de governo, senado, e constate! É lá que o pior do ser humano se revela em pessoas com o pior dos bichos.

Demétrio Sena
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui