JORNAL MILENIO VIP

Colunistas - Dulcimar Menezes

MENSAGEM PARA VOCÊ

Publicado na edição 82 de Julho de 2008

Acho muito interessante este movimento que verificamos atualmente entre as pessoas que desenvolveram o hábito de trocarem entre si mensagens pela internet. A grande quantidade de e-mails contendo reflexões positivas, de auto-ajuda, crítica social e estímulos religiosos são bastante significativos. Penso que este fato traduz a grande demanda das pessoas em encontrar um caminho que conduza a um estilo de vida mais saudável. Ou melhor, que reconduza a uma condição de saúde plena. “O homem é um conjunto de genes e aventura” nos diz Jean Yves Leloup. Isto significa que o homem é um composto humano que traz em si integrados os aspectos físico, mental e espiritual e a sua programação é para o sucesso. Mas o que dizer quando temos a impressão que o Ser Humano, enquanto obra divina, está defeituoso? Não será possível que Deus tenha falhado em sua criação, não é verdade? Claro que não! Pelo contrário, somos dotados de mecanismos de alerta que são acionados da profundidade do nosso Eu superior sempre que estamos nos desviando do rumo que nos conduz à plenitude, que também podemos chamar de saúde ou de paz. O inconsciente é uma instância psíquica onde habita o nosso verdadeiro Eu, e que assume o comando dos nossos atos, sentimentos e pensamentos sempre que das profundezas do nosso ser interpretamos que estamos em perigo ou infelizes, mas ainda não podemos assumir claramente nem para nós mesmos quanto mais para os que nos cercam. Neste caso o nosso Inconsciente começa a enviar mensagens, através de sinais que podem ser físicos ou emocionais para nos alertar que não estamos sendo muito competentes em cuidar de nós mesmos, em se tratando de saúde ou felicidade. O problema é que ao longo do caminho o homem foi se distanciando tanto de sua própria natureza e se artificializando tanto que desaprendeu a interpretar a si mesmo, a ouvir a própria voz pedindo socorro. É aí que entra a sabedoria do nosso sistema de segurança. Começamos a receber pequenos torpedos psicológicos avisando que algo não vai bem. E somente em caso desses pequenos sinais falharem na sua missão é que entram em cena os grandes sintomas ou as doenças propriamente ditas, sejam elas físicas, emocionais ou espirituais. Na prática o que eu estou tentando dizer é que todos os sintomas que manifestamos em nosso corpo e/ou alma são informações a respeito do nosso modo insatisfatório de vida. E quando digo insatisfatório me refiro às condições por nós mesmos sustentadas de desequilíbrios rotineiros que nos fazem mal. Ou seja, um enfarto do miocárdio foi anteriormente uma hipertensão, que foi anteriormente uma angústia, que foi anteriormente um aperto no peito acompanhado de profunda tristeza. Mas, infelizmente, ainda vivemos numa sociedade mecanicista onde a dor humana só é levada a sério se for uma dor física, palpável e a dor emocional ainda é vista como “fraqueza de personalidade” ( seja lá o que for isto!...) ou “ coisa da sua cabeça”. Portanto, amigo, não permita mais que a sua voz não seja ouvida por você mesmo. Receba com sabedoria as mensagens que você envia a si mesmo e impeça que os temores da vida se transformem numa síndrome do pânico, por exemplo. Dê a si o valor e a atenção que você merece. Procure ajuda se julgar necessário. Envie esta mensagem para quantas pessoas você achar que deve. Afinal de contas para fazer o bem não devemos ter limites. Saúde e paz!

Dulcimar Menezes
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui