JORNAL MILENIO VIP

Colunistas - Gustavo Meirelles

O preço da Corrupção!

Publicado na edição 118 de Janeiro de 2012

A máscara branca com bigode e cavanhaque negros foi usada pelo Justiceiro solitário do filme V de vingança. Aqui no Brasil tal máscara passou a decorar as manifestações contra a corrupção que vem sangrando toda uma nação e Magé não foge a regra, de 2008 em diante foi possível perceber diversos casos que demonstram o uso equivocado do dinheiro publico e indícios de corrupção por parte dos poderes executivo e legislativo que sangraram a nossa cidade. Em breve pesquisa foi possível fazer o levantamento de alguns casos, destacando os exemplos abaixo:

Em janeiro de 2008 a operação “Uniforme Fantasma” foi realizada pelo Ministério Público (MP) e a Polícia Civil. Em tal oportunidade foi executada a prisão de 28 envolvidos e constatou-se o desvio de         R$ 100 MILHÕES dos Cofres Públicos.

Ainda em 2008, a Prefeitura Municipal de Magé recebeu R$120 Mil Reais para a implementação de Cozinhas Comunitárias, tal projeto tem como objetivo desenvolver empreendimentos de economias solidárias, geração de renda, inclusão social e produtiva. Destacando que a Prefeitura não implementou tal projeto, quem deveria fiscalizar não fiscalizou e deixamos de produzir 500 refeições por semana, assim como, deixamos de resgatar a dignidade de centenas de famílias. Sobre o destino da verba, pouco se sabe!

Todos nós percebemos a multiplicação de tais bonecos simbolizando a “ocupação” territorial da gestão anterior. Este é mais um exemplo do descaso com o dinheiro público. Qual a função social de tais bonecos? Quanto custou e quantos bonecos foram construídos? Posso garantir que tal verba fez falta no combate a dengue e outras mazelas que atacam a nossa linda Magé!

Outro descaso com o dinheiro público foi à implantação de relógios digitais que não funcionam. Magé tem 35% da população vivendo abaixo da linha da pobreza e os caras brincando com o nosso dinheiro. O relógio da foto, provavelmente, esta registrando as vezes que a cidade foi “violentada” pela corrupção e pela omissão daqueles que deveriam fiscalizar o executivo.

De acordo com a Controladoria Geral da União, órgão responsável pela fiscalização dos repasses das verbas federais, o município de Magé recebeu, entre dezembro de 2007 e dezembro de 2010, a importância de R$2.175.318,78 para recuperação das moradias do Bairro da Barbuda. No entanto, os moradores do local em questão vivem em condições sub-humanas. Falta água encanada, saneamento básico e outras infraestruturas para que tais famílias possam viver com dignidade.


Em novembro de 2010 Magé recebeu a importância de R$528.165,00 para aquisição de veículos automotores com especificações para o Transporte Escolar. Tais veículos deveriam ser utilizados para garantir segurança e qualidade ao transporte dos estudantes, assim como, contribuírem para a redução da evasão escolar, ampliando, por meio do transporte diário, o acesso e a permanência na escola dos estudantes matriculados na educação básica da zona rural das redes estaduais e municipais. No entanto, até a presente data tais veículos são desconhecidos pelos nossos munícipes.

A obra do Centro Poliesportivo do BNH de Santo Aleixo talvez seja o maior exemplo do descaso com o dinheiro público e da corrupção que vem roubando o futuro dos nossos jovens. A obra tem o seu valor orçado em R$1.445.570,07 e o prazo para execução da mesma era de seis meses. Até o presente podemos encontrar apenas o “esqueleto” de um galpão que deveria estar promovendo a inclusão social através do esporte, quando na verdade serve de ponto de prostituição e consumo de drogas ilícitas.

Existem outros casos como os pontos de ônibus de péssima qualidade, a aquisição de propriedade no bairro da Vila nova, que teria custado aproximadamente R$3 MILHÕES e supostamente não teria função social para os munícipes, a obra de revitalização de Piedade que já apresenta indícios da péssima qualidade do material utilizado e que talvez tenha sido um dos maiores crimes ambientais cometidos em nossa linda Magé e até mesmo o desconto do PASEP dos funcionários da Prefeitura que não era repassado para os órgãos de direito.

Fazendo uma rápida conta, chegaremos ao valor aproximadamente de R$105 Milhões de Reais, supostamente, desviados dos cofres públicos. Existem muitos outros indícios de desvios de verba em nossa cidade, estima-se que de 2008 para cá o rombo teria ultrapassado a casa dos milhões. Destacando que nossa cidade esta entre as piores do Estado do Rio de Janeiro em desenvolvimento Humano, 84% da nossa população não possui acesso a Rede de Fornecimento de Àgua e acabamos de ganhar o titulo de PIOR cidade Brasil, entre as cidades com mais de 200 mil habitantes, em geração de empregos.

Sendo assim, podemos afirmar que a corrupção é a grande barreira para o desenvolvimento de nossa cidade. O COMPERJ bate as nossas portas, são aproximadamente 22 mil vagas de emprego e não estamos qualificando nossos jovens. A corrupção compromete nosso presente e condena às futuras gerações a viverem na miséria, sem acesso as condições mínimas de existência com dignidade. Já poderíamos ter em nossa cidade o Centro de Qualificação Profissional, políticas de saneamento ambiental para evitar doenças como a dengue, teatros e outras atividades que resgatariam a autoestima da nossa população, no entanto, nosso futuro vem sendo trocado por carros importados, festas regadas uísques 18 anos, imóveis na região dos lagos e pelo prazer em ver sofrer, no mínimo, 91 mil habitantes que vivem abaixo da linha da pobreza em nossa Linda Magé.

Gustavo Meirelles
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui