JORNAL MILÊNIO VIP - Amigos, estamos de volta!

Colunistas - Rosinha Matuck

Amigos, estamos de volta!

Publicado na edição 130 de Maio de 2013

 

Depois de merecidas férias, o Milênio está de volta.

Não foi muito fácil recomeçar, vindo do primeiro mundo, depois de conviver com a realidade de lá. A gente se acostuma rápido com belos prazeres, ordem, civilidade e, na chegada aqui, uma total consciência de que tudo ia muito mal. Confesso que a readaptação não foi fácil, precisei de um tempo. Colocar os pés no chão e esperar por dias melhores foi o que fiz.

Hoje parece que as coisas estão voltando a seus lugares e Magé segurou as rédeas do RUMO CERTO - assim espero. Mas farei algumas considerações de quem anda pelas ruas e ouve atentamente.

Primeiro, falemos da Saúde. Embora os vereadores insistam em afirmar que ela está caminhando muito bem, considero que falta ainda alguma quilometragem para nos sentirmos seguros. Tenho ouvido relatos bárbaros, de pacientes e parentes de pacientes, sobre coisas que não podem acontecer - como o caso da senhora que estava com um mioma e ficou uma semana com hemorragia no hospital de Piabetá, só no soro, e teve que ser transferida às pressas.  Não sei se foi ou não, ou se partiu desta para melhor.

Ouço também que a responsabilidade de tudo que aconteceu com a Saúde de Magé tem um nome: o do primeiro Secretário de Saúde da atual gestão. Que fique claro que eu não aceito esta teoria, não acredito mesmo. Conheço e tenho confiança nessa pessoa. E acho no mínimo de péssimo gosto impor essa estória à população através da TV Câmara.  É sabido que filho feio nunca teve pai, como em Magé aparece?! Além do mais, o Secretário não seria o único e nem o maior responsável, já que não lhe cabe definir as políticas públicas, nem tem o poder de decidir sobre o orçamento, sendo obrigado a trabalhar dentro dos limites do que lhe é destinado.

Indo em frente: o choque de ordem na Dr. Siqueira está aprovadíssimo, mas o local dos camelôs não foi aprovado por eles, pois não vendem nada no local.  Que tal a beira do rio, onde tem a feira? É uma sugestão...

E mais: seria de bom tom que cobrassem da firma contratada para coletar o lixo da cidade que ela fosse a todas as ruas do município e que os seus funcionários usassem botas e luvas. Um horror assistir ao trabalho deles sem a proteção devida, afinal nós estamos pagando.

Outra dica: com tantos policiais municipais em serviço, bem poderíamos aproveitar a idéia do governo do Município do Rio de Janeiro e aplicar multas a quem jogasse lixo nas calçadas ou nas ruas.  Adoraríamos.

Por hoje é só e vamos todos, juntos, questionar o modo como é usado o dinheiro arrecadado pelo município, porque não agüentamos mais ouvir dizer que o nosso município é pobre, o que não acredito!  

Ainda bem que acredito e tenho esperança que tudo ainda pode ter um rumo certo... Vamos aguardar!

Rosinha Matuck
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui