JORNAL MILÊNIO VIP - Opções Necessárias

Colunistas - Izaura Hart

Opções Necessárias

Publicado na edição 137 de Fevereiro de 2014

Em janeiro de 2013, a Revista Época publicou um texto do Walcyr Carrasco, autor da novela atualmente em cartaz na Globo, “Amor à Vida”, intitulado “A felicidade obrigatória”. Muito interessante a reflexão que ele faz e me chamou a atenção um trecho onde conta sobre o reencontro que teve com um amigo de infância, lá de Marília, sua cidade natal. Havia muitos anos que não via o Antônio Carlos ( este é o nome do amigo), e que na conversa soube que ele era professor de História em um colégio público. Contou ainda que quando terminou a faculdade bem jovem, ganhou uma bolsa para fazer pós-graduação na Inglaterra e não foi.  O Walcyr reagiu, segundo o texto, com a frase:

-Imagine, você teria tido tantas oportunidades!

O que mais lhe chamou a atenção foi que calmamente o Antônio Carlos lhe disse que ficou para ajudar os pais a cuidar de um irmão com lesão cerebral que mora com a mulher e os filhos numa casa vizinha a dos pais e que o irmão está quase cego com dificuldades para as atividades do dia a dia como o próprio banho.

Correlacionei este texto com a lição nº 16 de Emmanuel, através do nosso querido Francisco Cândido Xavier, no livro Fonte Viva, no parágrafo que diz “Se perguntássemos ao grão de trigo que opinião alimenta acerca do moinho, naturalmente responderia que dentro dele encontra a casa de tortura em que se aflige e sofre; no entanto, é de lá que ele se ausenta aprimorado para a glória do pão na subsistência do mundo.”

Nesse mundo de meu Deus existem tantos “Antônio Carlos”, graças a Deus, que numa visão ampliada da vida se preocupam com o afeto, com o dever antes de se preocupar com os parâmetros sociais exigidos pelo mundo moderno.

Com a visão equivocada do sucesso pessoal como sinônimo de felicidade, muitos de nós “atropelamos” entes queridos, deixamos para trás compromissos com familiares, filhos e muitas vezes não titubeamos em se quer visitar o amigo ou familiar inválido necessitando do nosso aconchego!

Como nos lembra Emmanuel: “E o mandamento que era para a vida, achei que me era para a morte” (Paulo – Romanos, 7:10).

Como o trigo no moinho, testemunhos que necessitamos dar até com a renúncia de muitos sonhos, são para a nossa glória espiritual, desta forma nos tornando vitoriosos embora o mundo assim não nos admire  ou  compreenda!

Izaura Hart
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui