JORNAL MILENIO VIP

Colunistas - Luiz Gurivitz

Acredite

Publicado na edição 146 de Novembro de 2014

Imagine um mundo sem dor, sofrimento, poluição, depressão ou ego.

Visualize-se andando em uma rua, sentindo amor por todas as pessoas que encontrar no caminho. Sem problemas. Uma existência simplesmente perfeita.


Você acredita que tal mundo seja possível?


Se for lutar com todas as nossas armas para fazer com que isso aconteça, é preciso que acreditemos que juntos somos capazes de criar essa realidade. Essa é uma pergunta que tenho ouvido constantemente em rodas de amigos, no consultório e nos cursos que participo. Parece que viver sem um sentido acelera o caminho da infelicidade, insatisfação e vazio que podem naturalmente levar a um processo de depressão, que se origina quase sempre pela falta de sentido. Parece uma roda que gira constantemente, sem começo nem fim.

O sentido da vida pode ser compreendido por meio da consciência. Se você acredita que sua vida está sem sentido, certamente perdeu seu encantamento, sua paixão por ela. Você lembra como é estar apaixonado? Consegue lembrar como a vida ganha novas cores, nosso humor melhora e todas as pessoas se tornam belas e interessantes?

Se não se lembra é porque a doença pode estar se instalando em você. Ela começa pela não aceitação das frustrações em nossas vidas, se agrava pelo excesso de lamentação e incapacidade de olhar para frente e termina com a não aceitação da própria vida, que é caracterizada principalmente pela transitoriedade.

Quem não aceita que vida é movimento e que "para o resto da vida" é tempo demais, precisa começar a perceber que o amor e a entrega só podem acontecer a partir dessa certeza.

Você já viveu do lado de uma pessoa que não sai do lugar? Que passa a vida se lamentando pelo que perdeu, arrastando as correntes do passado? Existe algo mais desagradável que alguém que não aceita essa transitoriedade? Você quer encontrar um sentido para sua vida? Pois então volte a se apaixonar por você, por seus planos, pelas belezas que possui em sua volta, pelo seu marido, esposa ou filhos.

Aprenda a olhar para o que o mundo e as pessoas possuem de mais belo, de melhor, de excitante. Mude o foco de seu olhar, construa um dia a dia baseado no que acredita, ame!

Somente dessa maneira você poderá entrar em contato com um sentimento de plenitude que todos possuímos. Reflita sobre seu dharma, seu papel nesta existência, e determine-se a cumpri-lo. O amor a si mesmo, às coisas que construiu à sua volta e aos seus carrega em si o sentido que procura.

O amor em todas as formas é fundamental para todos nós e dá sentido à vida mesmo que você ainda não tenha ouvido o chamado de seu propósito, do seu desígnio.

Luiz Gurivitz
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui