JORNAL MILÊNIO VIP - O Patrimônio Cultural Ferroviário de Magé

Colunistas - Antônio Seixas

O Patrimônio Cultural Ferroviário de Magé

Publicado na edição 146 de Novembro de 2014

O patrimônio cultural ferroviário da cidade de Magé é formado pelos vestígios da Estrada de Ferro Mauá (1854-1888), da Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará (1888-1890), da Estrada de Ferro da Leopoldina (1890-1975) e da Estrada de Ferro Teresópolis (1896-1919).

Existiu ainda no município, a Estrada de Ferro da Companhia de Tecidos de Pau Grande, uma linha particular de trens (1873-1942), ligando os bairros de Pau Grande a Raiz da Serra, com o objetivo de facilitar o escoamento da produção através da Estrada de Ferro Mauá.

Poucos são os estudos sobre o nosso patrimônio cultural ferroviário. No “Inventário dos Bens Culturais de Magé”, realizado pela FUNDREM (1984), foram catalogadas a estação de Guia de Pacobaíba, da pioneira Estrada de Ferro Mauá, e as estações de Magé e de Suruí, da extinta Estrada de Ferro da Leopoldina, datadas de 1926.

Já no “Inventário de Bens Culturais Imóveis dos Caminhos Singulares do Estado do Rio de Janeiro”, realizado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – INEPAC (2004), apenas a Estação Ferroviária de Guia de Pacobaíba foi incluída como representativa de nosso patrimônio cultural ferroviário.

Por força da Lei n.º 11.483/2007, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN realizou um inventário do patrimônio cultural da Estrada de Ferro Mauá (2010), apontando a existência de 24 itens, tais como a Estação Ferroviária de Guia de Pacobaíba e a casa do vigia do complexo ferroviário.

Duas paradas de trens que chamam a atenção são as de Santa Dalila e Santa Guilhermina, da linha Saracuruna-Visconde de Itaboraí, construídas pela Estrada de Ferro da Leopoldina, típicas plataformas com cobertura de madeira. Por serem de pequenas dimensões, não são mais usadas pela Supervia, que atualmente administra o ramal.

Impressiona ainda a ponte de pedra construída pela Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará, entre as estações de Meio da Serra (Magé) e de Alto da Serra (Petrópolis), conhecida como Viaduto da Grota Funda. Segundo alguns historiadores, a ponte original construída de ferro, com 58 metros de comprimento, a 24 metros acima do leito do rio Caioaba, e inaugurada em 1884, foi substituída por outra, com arcos de pedra.

Ao se realizar o estudo de prospecção de solo para as obras do Arco Metropolitano, foi localizado um sítio arqueológico da extinta Estrada de Ferro Teresópolis, na antiga Estrada da Piedade. Por nossa iniciativa, tramita no IPHAN um processo pedindo a sua inclusão no Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos.

São de nossa autoria ainda os pedidos de tombamento das estações ferroviárias de Guia de Pacobaíba, Bongaba, Magé e Suruí, além das paradas de trens de Santa Dalila e Santa Guilhermina, aprovadas pelo Conselho Municipal de Política Cultural de Magé.

Resta, agora, a reativação da Estrada de Ferro Mauá, com o objetivo de preservar esse importante patrimônio cultural mageense.

 

Antônio Seixas
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui