JORNAL MILÊNIO VIP - 450 anos e ainda verde

Colunistas - Leandro Vidal

450 anos e ainda verde

Publicado na edição 150 de Junho de 2015

Todo bom fruto antes de chegar a nossas mesas, passa por um processo longo de amadurecimento. Para estar pronto, maduro e apto para satisfazer nossas necessidades, será necessário que a semente germine em solo fértil, que a árvore cresça sobre os cuidados do nosso Criador, seja regada com muita luz, água e tenha as condições ideais para proporcionar o melhor em nossas mesas.

Quando pensamos em tempo de maturação, pensamos enquanto indivíduos, como muitas das vezes precisamos de tempo para amadurecer emocionalmente, para nos sentirmos membros de uma família e de uma sociedade é necessário maturidade. Quando pensamos em uma cidade como a nossa, ainda verde Magé, imaginamos quanto tempo seria necessário para se ter uma cidade madura, 450 anos, 4500 anos, e diante desse cenário continuamos sem resposta.

O município de Magé faz parte da Região Hidrográfica da Bacia da Baía de Guanabara, esta inserida nas terras que fazem a transição entre a Serra dos órgãos, e a nossa Baía, nossas águas, nosso solo, nosso minério, nossa vegetação, nossa fauna e flora, tem resistido verde e valente ao longo de 450 anos de exploração e desgastes antrópicos, mais por outro lado tem se mostrado madura enquanto terra que provê seus frutos, terra que produz o verde que se explora, o minério que sai de Magé abastece o mercado da construção civil de todo o estado, as águas também são muito exploradas, assim como tudo que a nossa terra proporciona, inclusive nossa posição geográfica, nossa cultura, e assim vai. Esse cenário deveria ser de orgulho enquanto um município maduro, mais temos que refletir, será que estamos maduros enquanto sociedade enquanto verdadeiros detentores de nossa terra que inclui nossos recursos naturais, será que estamos maduros o suficiente para entender os impactos que sofremos por aqueles que não respeitam o tempo de maturação, que não sentem na pele, e arrancam os nossos frutos ainda verdes, ou que apodrecem a nossa sociedade como um rolo compressor que não respeita o que temos de melhor, que atravessam o nosso município sem pedir licença e deixam,  somente  as cascas dos frutos já em decomposição dispensáveis até mesmo para adubo, não plantam sementes cortam nossas árvores e passam seus projetos e progressos, sem respeitar o verde, e sem duvida nenhuma não contribuem com o amadurecimento de nossa sociedade. 

Como já dizia um grande amigo “O homem no vermelho não respeita o verde”. Nossa sociedade está madura? Pois para que tenhamos uma Magé verde por mais tempo será necessário amadurecer,  e deixarmos nossas sementes, antes que a podridão tome conta de tudo. Quais frutos temos deixado> Como se encontram nossas crianças> Que tipo de frutos elas estão consumindo.

São 450 anos, e ainda estamos verdes, enquanto sociedade não estamos plantando pois nossas sementes ainda não estão maduras, o momento é de reflexão, e será que vale a pena receber títulos de cidade verde, sem que nossa sociedade esteja madura para tomar posse disso, hoje já colemos os frutos podres da poluição, do desmatamento, da falta de cultura, da falta de lazer, do descontrole social, da violência, estamos infectados pelo vírus carangueijal como já dizia um grande amigo do verde, onde não damos valor a nos mesmo, onde aqueles que sabem que não somos maduros enquanto sociedade atropelam o nosso verde e ainda são chamados de bons, enquanto as minhocas da terra, a prata da casa são vista como ruins, pois nos mesmo que não estejamos maduros o suficiente para, nos unirmos deixarmos as diferenças de lado e amadurecermos juntos, estamos presenciando ano após ano a evasão dos nossos amigos e conterrâneos, e a invasão dos que só querem o nosso verde, pois não estamos maduros o suficientes para colocarmos nossa própria mesa, a folha é verde o dólar é verde, os olhos são verdes, o sentimento e verde, mais nossa Magé linda Magé deve amadurecer de uma vez por todas.

Que frutos devemos deixar para as nossas futuras gerações, frutos de uma sociedade madura unida que sabe o quanto tem valor, que sabe os seus direitos, que sabe tomar decisões e que principalmente reconhece o quanto tem errado ano após ano na forma como conduz o seu pomar, temos que plantar somente o que realmente nos importa. Chega de aceitar todo tipo de árvore em nossos pensamentos e todo o tipo de frutos em nossas mesas. A sociedade que vence batalhas é vencedora, mais a que vence a si mesma e invencível. Parabéns Magé pelos seus 450 anos de amadurecimento. 

Leandro Vidal
Conheça o perfil pessoal de nosso colunista ou outros artigos publicados por ele
Clique Aqui