Colunistas

ANTÔNIO SEIXAS

Antônio Seixas é advogado e historiador. Bacharel em Direito pela Universidade Estácio de Sá (2006).
Especialista em História do Rio de Janeiro, pela Universidade Federal Fluminense (2011). Especialista em História da Arte Sacra, pela Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro (2012). Cursa atualmente a Pós-Graduação Lato Sensu em História do Brasil, no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro - IUPERJ/Universidade Cândido Mendes.
Membro do Centro de Estudos da Imaginária Brasileira - CEIB, da Academia Mageense de Letras (cadeira 15) e do Instituto Histórico e Geográfico de Niterói (cadeira 19).
Presidente da Comissão Pró-Memória da OAB/Magé (2013/2015). Presidente do Conselho Municipal de Política Cultural de Magé (2013/2015).
Escreve mensalmente sobre história regional nos jornais mageenses Milênio Vip, Opção, O Redator e Voz de Magé.
Autor dos seguintes títulos: "Breve história da literatura mageense" (2005), "O Velho Cemitério de Magé" (2009) e "História da Nobreza Mageense" (2010).

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO PATRIMÔNIO CULTURAL FERROVIÁRIO: O CASO DA ESTRADA DE FERRO MAUÁ (Edição 162)

A nossa comunicação se inicia com um preito a memória de Luis Otávio da Silva Oliveira (1935-2017), fundador da Associação Fluminense de Preservação Ferroviária - AFPF que, por mais de trinta anos, lutou pela preservação da Estrada de Ferro Mauá.

DO CORONEL PEDRO VALÉRIO A RAFAEL TUBARÃO: HISTÓRIA DOS PREFEITOS DE MAGÉ (Edição 158)

Desde a criação da Prefeitura de Magé, em 1921, até a posse de Rafael Tubarão como prefeito em abril deste ano, 39 prefeitos estiveram a frente do Executivo mageense. Curiosamente, tanto o 1.ª Prefeito, o Coronel Pedro Valério quanto o atual ocuparam

BENS CULTURAIS DA COMARCA DE MAGÉ (Edição 157)

A Comarca de Magé foi criada pelo Decreto-lei n.º 1.185, de 08 de agosto de 1860, sendo extinta em 16 de fevereiro de 1901, pelo Decreto n.º 667. Nesse primeiro período exerceram a magistratura em Magé o Dr. Luiz de Assis Mascarenhas, nosso primeiro

COMISSÃO PRÓ-MEMÓRIA DA 22ª SUBSEÇÃO DA OAB/RJ (Edição 156)

O presidente da Comissão vem participando das reuniões do fórum, criado pela Portaria n.º 33, de 13 de julho de 2015, da Superintendência do IPHAN-Rio de Janeiro. Em 08 de setembro de 2015 foi formalizado o pedido de inclusão da Comissão como membro

O PLANO DIRETOR E O PATRIMÔNIO CULTURAL DE MAGÉ (Edição 155)

O Plano Diretor é um instrumento jurídico que estabelece as diretrizes para o desenvolvimento e expansão dos municípios

A SABEDORIA DE DARCY RIBEIRO (Edição 154)

O grande pensador, antropológico e educador Darcy Ribeiro (1922-1997), que foi o responsável pelo tombamento das igrejas históricas de Magé, quando ocupou o cargo de Secretário de Estado de Cultura

MARIA CONGA, PATRIMÔNIO CULTURAL QUILOMBOLA DE MAGÉ (Edição 153)

Como parte das comemorações pelo Dia do advogado (11 de agosto), quando se celebra a criação dos Cursos Jurídicos no Brasil (em 1827)

O EXTINTO MUSEU GUIA DE PACOBAÍBA (Edição 152)

No dia 30 de abril de 1854, a Imperial Companhia de Navegação à Vapor e Estrada de Ferro de Petrópolis, de Irineu Evangelista de Souza, futuro Barão de Mauá, inaugurava a 1ª Estrada de Ferro do Brasil

A COMISSÃO PRÓ-MEMÓRIA DA OAB-MAGÉ/GUAPIMIRIM (Edição 151)

A 22.ª subseção da OAB/RJ (Magé) foi instalada em 27 de outubro de 1982.

MAGÉ, SUA CÂMARA MUNICIPAL E O 9 DE JUNHO (Edição 150)

O que caracteriza um município? Herança administrativa portuguesa, o município é caracterizado por sua independência política e sua autônima administrativa, representadas pela Câmara Municipal.

AS LUTAS DO CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICA CULTURAL DE MAGÉ (Edição 149)

Uma das primeiras atividades do Conselho foi a elaboração do Plano Municipal de Cultura, que já estaria em vigor se o Prefeito Nestor Vidal o tivesse encaminhado para a Câmara Municipal de Magé.

COMISSÃO DA VERDADE SOBRE A ESCRAVIDÃO NEGRA EM MAGÉ (Edição 148)

Durante a 22ª Conferência Nacional dos Advogados, em outubro, foi levantada a possibilidade de criação de uma Comissão da Verdade na OAB Federal para apurar os crimes da escravidão negra no Brasil, no

A TROVA, PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL DE MAGÉ (Edição 147)

No último dia 2 de dezembro, o Conselho Municipal de Política Cultural de Magé aprovou nossas propostas reconhecendo, como patrimônio cultural imaterial do município, a trova literária e a UBT-Magé.

O PATRIMÔNIO CULTURAL FERROVIÁRIO DE MAGÉ (Edição 146)

O patrimônio cultural ferroviário da cidade de Magé é formado pelos vestígios da Estrada de Ferro Mauá

EDITAL DE CONVOCAÇÃO (Edição 146)

O Conselho Municipal de Política Cultural de Magé convoca os conselheiros titulares para a Assembleia Geral Ordinária

PELA REATIVAÇÃO DA ESTRADA DE FERRO MAUÁ (Edição 145)

A Estrada de Ferro Mauá, inaugurada em 30 de abril de 1854 por Dom Pedro II, iniciativa de Irineu Evangelista de Souza, futuro Barão de Mauá, é a primeira estrada de ferro em terras brasileiras.

ACADEMIA MAGEENSE DE LETRAS COMEMORA 26º ANIVERSÁRIO (Edição 144)

A Academia Mageense de Letras, sob a presidência do acadêmico Ailson Cardoso de Oliveira, comemorou na noite do dia 26 de agosto seu 26.º aniversário de fundação.

DE QUANDO É O PRÉDIO DO FÓRUM DE MAGÉ? (Edição 143)

A obra do atual prédio do Fórum, na rua Dr. Domingos Bellizzi, n.º 178, se iniciou em 1953, sendo um projeto do engenheiro Carlos Frederico de Areia Leão, e foi inaugurada em 25 de janeiro de 1955

AINDA SOBRE A FARSA DE JOÃO ANTÔNIO GUARACIABA (Edição 142)

Segundo o filósofo alemão Karl Marx, no livro “O 18 do Brumário de Luis Bonaparte” (1852), "a história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”.

A FARSA DE JOÃO ANTÔNIO GUARACIABA (Edição 141)

Circula pela internet e já foi publicada em alguns jornais da cidade a história de João Antônio Guaraciaba, dito ex-escravo reprodutor em Magé.

LIRA DOS MEUS VINTE ANOS (Edição 140)

O poeta Álvares de Azevedo, meu patrono na Academia Brasileira de Trova, no Rio de Janeiro, apesar de nascido na cidade de São Paulo, guarda profundas raízes com a cidade de Magé, pois seu avô foi o C

O AUTOR DOS HORRORES DE MAGÉ (Edição 138)

No dia 21 de fevereiro próximo passado a cidade de Magé deixou de comemorar os 120 anos dos “Horrores de Magé”

CENTENÁRIO DE RISOLETA GOULART DA SILVEIRA MATUCK (Edição 137)

Risoleta Goulart da Silveira Matuck nasceu em Magé a 17 de outubro de 1914, filha de Manoel Francisco da Silveira e Elvira Goulart da Silveira.

DE QUANDO É A CAPELA DO BONFIM? (Edição 136)

Dia desses passando em frente à capela de São José Operário deparei-me com uma facha convidando para a festa dos 130 anos da capela do Bonfim, que é tombada pelo patrimônio histórico estadual desde 19

50 ANOS DO TROVISMO MAGEENSE (Edição 135)

O Trovismo é o movimento literário em torno da trova literária, surgido na cidade do Rio de Janeiro...

POR UMA COMISSÃO DA VERDADE DE MAGÉ (Edição 134)

Com o objetivo de apurar violações de direitos humanos ocorridos entre 1946 e 1988, a presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei n.º 12.528, de 18.11. 2011, criando a Comissão Nacional da Verdade.

25 ANOS DA ACADEMIA MAGEENSE DE LETRAS (Edição 133)

A Academia Mageense de Letras é composta por quarenta membros, ocupantes de cadeiras patroneadas por imortais da literatura brasileira.

SESQUICENTENÁRIO DE JOAQUIM MALLET DE SOUZA SOARES (Edição 132)

Joaquim Mallet de Souza Soares nasceu em 23 de junho de 1863, na cidade de Magé, e faleceu em Niterói, a 15 de abril de 1934.

O POÇO DE MARIA CONGA (Edição 131)

Em novembro de 2012, a convite da Coordenadoria da Igualdade Racial de Magé, proferi palestra no auditório da Unigranrio, abordando “Os Lugares de Memória da Escravidão em Magé”

BARONESA DE SURUÍ (Edição 130)

Carlota Guilhermina de Lima e Silva, a Baronesa de Suruí, filha do Regente do Império Francisco de Lima e Silva e de Mariana Cândida de Oliveira Bello, irmã do Duque de Caxias e do Conde de Tocantins

JUBILEU DE PRATA DA CASA DE ALCINDO GUANABARA (Edição 129)

Quando a Academia Mageense de Letras foi fundada em 26 de agosto de 1988, seus fundadores escolheram para patrono cívico da nova entidade o jornalista, escritor e político Alcindo Guanabara

A MAGÉ DO TEMPO DE MÁRIO COELHO (Edição 128)

O livro mais importante sobre o município de Magé publicado no ano de 2012 foi, sem medo de errar, “Magé do meu tempo”, livro de memórias e coletânea poética de Mário de Almeida Coelho

30 ANOS DA OAB-MAGÉ (Edição 127)

A Ordem dos Advogados do Brasil foi criada em 18 de novembro de 1930, por ato do Presidente Getúlio Vargas, com a finalidade de regulamentar a profissional do advogado.

CASA DE CULTURA RISOLETA MATUCK (Edição 125)

Risoleta Goulart da Silveira Matuck, cujo centenário de nascimento se aproxima, chamada de “A Patativa de Magé”, com seus versos levou o nome de nossa cidade para além-fronteiras...

UM FERIADO ESQUECIDO EM MAGÉ (Edição 124)

No governo do Prefeito José Ullmann Junior, foi instituído, como feriado municipal, o dia 25 de agosto. Nesse dia nasceu Luis Alves de Lima e Silva, na então Vila de Magé.

UM ALTAR PARA SÃO NICOLAU (Edição 123)

Na obra de restauração da tricentenária igreja de São Nicolau, erguida em 1710, um detalhe causa estranhamento: o altar do padroeiro, antigamente pintado de branco, ganhou um tom acinzentado.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA SOBRE MAGÉ (Edição 122)

No dia 09 de junho comemora-se a elevação do arraial de Magé à condição de Vila

ENFIM UM SANTO NASCIDO EM MAGÉ (Edição 121)

O Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, O. Cist., deu início ao processo de beatificação do Dr. Jerônimo de Castro Abreu Magalhães (1851-1909)

O VELHO PAIOL DO CALUNDU (Edição 120)

Em Guia de Pacobaíba, no final da Estrada Real de Mauá, às margens do rio Estrela, ficam as terras da antiga fazenda Calundu,

MANUEL MADRUGA FILHO - PINTOR MAGEENSE (Edição 119)

Paisagista, retratista, pintor impressionista e decorativista, nasceu na cidade de Magé, no 2.º distrito, Santo Antonio do Paquequer, atual município de Teresópolis, em 20 de setembro de 1872...

O BUSTO DE MANÉ GARRINCHA (Edição 118)

Na praça Montese, no centro do bairro de Pau Grande, está o busto em bronze do jogador Manoel Francisco dos Santos, o imortal Mané Garrincha.

CENTENÁRIO DE MÁRIO ROSSI (Edição 117)

Mário Rossi nasceu em Petrópolis, a 23 de maio de 1911, filho dos italianos Alexandre Rossi e Aurélia Pizzoni Rossi. Poeta, compositor e letrista.

O 1º JUIZ DE FORA DE MAGÉ (Edição 116)

O juizado de fora das Vilas de Santo Antonio de Sá e Magé foi criado por D. João VI, através de alvará datado de 27 de junho de 1808, com competência cível, criminal e orfanológica.

A CAPELA DE SANTA TEREZINHA (Edição 115)

Foi construída por Conrado Antonio de Paulo, filho de Saturnino de Paulo, nascido em 19 de fevereiro de 1900

O ACADÊMICO ALCINO GUANABARA (Edição 113)

Alcindo Guanabara, jornalista e político, nasceu em Magé, a 19 de julho de 1865, e faleceu no Rio de Janeiro, em 20 de agosto de 1918.

A VILA DE MAGÉ E O PELOURINHO (Edição 112)

O pelourinho construído em frente à Igreja Matriz de Magé ali permaneceu até o advento da Lei de 13 de maio de 1888

O MERCADO DE ESCRAVOS DA PIEDADE (Edição 111)

Ocupação mais antiga no 1º distrito de Magé, o bairro da Piedade guarda um importante patrimônio histórico local...

LUIZ OTÁVIO E A CADEIRA 27 DA AML (Edição 110)

O movimento em torno da trova literária deve a Luiz Otávio (1916-1977)...

MEMÓRIA MAGEENSE - A ORIGEM DE 1ª IGREJA BATISTA EM MAGÉ (Edição 109)

Em 1860 o missionário norte-americano Thomas Jefferson Bowen aportou na cidade do Rio de Janeiro, então capital do império do Brasil.

A FAZENDA SANTA GUILHERMINA (Edição 108)

A fazenda Santa Guilhermina está situada na BR 493, próxima ao trevo da BR 119, no 1.º distrito de Magé, e por seu grau de preservação foi incluída entre os bens culturais do município.

MEMÓRIA MAGEENSE - FREI CIRÍACO HIELSCHER, MISSIONÁRIO FRANCISCANO (Edição 107)

Frei Ciríaco nasceu em 14 de agosto de 1855, em Schoenwiese, na Alemanha, recebendo na pia batismal o nome José.

LIGA MAGEENSE CONTRA ANALFABETISMO (Edição 106)

Em 21 de abril de 1915, fundou-se no Rio de Janeiro a Liga Brasileira Contra o Analfabetismo que reuniria homens de letras, médicos, advogados, militares, e diversos outros segmentos da sociedade civi

RAYMOND LETOUZÉ (Edição 105)

Quem caminha pelo cemitério de Santo Aleixo se depara com um túmulo simples, enegrecido pelo tempo.

O INVENTÁRIO DE JOÃO GABRIEL (Edição 104)

Proprietário da importante “Casa Progresso”, voltada para o comércio varejista, e descendente de libaneses, João Gabriel nasceu em Magé a 29 de outubro de 1901, filho de Gabriel Miguel e Maria Jorge.

BIBE TEIXEIRA, HISTORIADOR MAGEENSE (Edição 103)

Alcebíades de Castro Teixeira, o saudoso Bibe Teixeira, considerado a memória viva da cidade

CÔNEGO JOAQUIM BATALHA, UMA VIDA DEDICADA A IGREJA (Edição 102)

O Cônego Joaquim Antônio de Carvalho Batalha nasceu em Alagoas a 20 de janeiro de 1894, filho de Antonio Pereira de Mello Batalha e de Francisca Rosa Carvalho Batalha.

A CAPELA DE SÃO BENEDITO EM PARQUE ESTRELA (Edição 101)

A Capela de São Benedito foi construída em 1953 por Marciano de Oliveira Barbosa e Josefina B. Meritello, parteira por profissão, em agradecimento a uma graça alcançada.

O CASARÃO DA AVENIDA ROTARY (Edição 100)

Construção erguida na década de 1920, localizada na esquina da Avenida Rotary com a rua Comendador Reis, a residência do engenheiro Israel Jacob Averbach, 13.º Prefeito de Magé

TERMINAL RODOVIÁRIO DR. FRANCISCO RONDINELLE (Edição 99)

A rua Coronel Macieira tem sua origem em um caminho aberto pela municipalidade ligando a prefeitura (onde hoje está a 65.º DP) à estação ferroviária velha para embargue de passageiros.

HENRIQUE DIAS DUQUE ESTRADA (Edição 98)

Henrique Dias Duque Estrada nasceu em Magé a 27 de junho de 1871. Bacharel em Ciências e Letras pelo internado do Colégio Pedro II.

ANTIGAS CAPELAS MAGEENSES DO SÉCULO XVIII (Edição 97)

A presença católica no território mageense no século XVIII pode ser medida pela profusão de capelas erguidas, em sua maioria locais de devoção e romarias ainda em nossos tempos.

MEMÓRIA MAGEENSE - 60 ANOS DO PALÁCIO ANCHIETA (Edição 96)

A Praça Dr. Nilo Peçanha, antigo rocio grande, constitui o espaço público municipal por excelência, ocupado na década de 1940 com a construção do prédio da Prefeitura Municipal

MAGÉ E A REVOLUÇÃO MINEIRA DE 1842 (Edição 95)

Magé tomou parte ativa no episódio da Revolução Liberal que em 1842 se verificou em Santa Luzia (MG).

MEMÓRIA MAGEENSE (Edição 93)

Frei Aniceto Kroker, OFM, de batismo Karl Kroker, nasceu na cidade de Stolmitz, Alemanha, em 25 de outubro de 1916, ingressando muito jovem na Ordem dos Frades Menores (franciscanos).

OS 60 ANOS DE DOM PAULO FRANCISCO MACHADO (Edição 0)

Próximo dia 13 de outubro, Dom Paulo Francisco Machado, bispo de Uberlândia, comemorará seus 60 anos.