Colunistas

IVONE BOECHAT

Ex-aluna, Ex-professora, Ex-diretora Cenecista, Ex-Superintendente Itinerante Nacional da CNEC, Ph.D em Educação

DIA DOS PAIS (Edição 165)

O que se espera do pai numa sociedade massacrada por desorienta√ß√Ķes sobre a fam√≠lia ? O que representa o pai no mundo atual? Quem √© o pai? Como preparar algu√©m para ser um pai de fam√≠lia? A educa√ß√£o tem a resposta e os recursos para a forma√ß√£o e o

DIA DAS M√ÉES (Edição 164)

As m√£es precisam, urgentemente, de orienta√ß√£o psicol√≥gica para promover a grande reflex√£o que o momento n√£o exige, implora. O ser humano n√£o tem educa√ß√£o emocional para participar, ao vivo, das convuls√Ķes sociais, porque a evolu√ß√£o, em ritmo acelerad

NATAL (Edição 163)

Há um momento na vida em que se retoma a lucidez de anjos e coroa-se de glória a natureza humana. O Natal é milagre da própria vida. Jesus nasceu, venceu a morte, ressurgiu no íntimo de cada criatura, Deus revelou-se, tornou-se visível e o mundo toc

COMO EDUCAR NETOS NA ADVERSIDADE? (Edição 162)

Quase ningu√©m se manifesta sobre a injusti√ßa social que sobrecarrega os av√≥s! E tudo √© muito parecido: os filhos se casam, n√£o perguntam a opini√£o dos pais na escolha do c√īnjuge, at√© porque empinam o nariz e dizem: ¬ďquem vai morar com ele sou eu¬Ē. Ma

O NATAL EXISTE! (Edição 160)

Vamos supor que nada do que os homens acreditam sobre o Natal fosse verdade?

DIA DOS PAIS (Edição 159)

No desencontro diário, na corrida desenfreada pela sobrevivência, o que poderia substituir o calor do abraço amigo de um pai ?

COMO VOC√ä √Č IMPORTANTE, MULHER! (Edição 157)

Há culturas que diversificam classificam e discriminam a participação da mulher nos editoriais e fingem que não percebem sua contribuição científica, ao longo dos séculos.

ENTRE NESSE TREM DO SONHO (Edição 156)

Texto de natal

C√ćRCULO VICIOSO (Edição 155)

Um dia, milh√Ķes de beb√™s choraram na liberdade uterina do milagre da vida: nasceram.

SOS ¬Ė MISERIC√ďRDIA PARA AS CRIAN√áAS (Edição 154)

A sociedade vive sobressaltada, de cabelo em pé, com o resultado do seu próprio estilo de vida.

PESSOA BOAZINHA (Edição 153)

A pessoa boa é justa, muitas vezes, assusta porque é transparente e sincera. A pessoa boazinha agrada à primeira vista.

VOC√ä QUER UM AMIGO? (Edição 152)

Para andar na linha? Compre um trem.

O FOFOQUEIRO (Edição 151)

O fofoqueiro é um tecelão juramentado in delivery à procura de meias verdades ou mentiras escancaradasque possa sair anunciando por aí pra derrubar alguém.

VIDA PLENA E MEIO AMBIENTE (Edição 150)

O ser humano tem o sabor do oceano na l√°grima.

TUDO √Č A M√ÉE (Edição 149)

Porque a humanidade não soube ou não teve tempo de se preparar emocionalmente, agora está sendo bombardeada com as ferramentas da informação criadas por ela mesma.

O PESO DE SER (Edição 148)

Construir o momento, recriando a vida retocando o sonho, s√£o alternativas para o controle mec√Ęnico das emo√ß√Ķes, num mundo impregnado de peso e pesares.

NATAL, SEMPRE NATAL (Edição 147)

Você está começando a sentir um cheiro de saudade no ar?

COMO CONVIVER COM O IDOSO (Edição 146)

Algumas dicas de como conviver bem com os idosos

O DESAFIO DA EDUCA√á√ÉO PARA UM NOVO TEMPO (Edição 145)

A humanidade está evoluindo, emocionalmente, na velocidade da tartaruga, frente à tecnologia que ultrapassa qualquer previsão, na velocidade da luz!

A P√ĀTRIA (Edição 144)

A pátria não é o imenso território, nem o ofertório de flores

A B√äN√á√ÉO, PAPAI! (Edição 143)

Vive-se num mundo estrangulado pela falta de um programa social que atenda aos clamores do ser humano que se arrasta, iludido, do lado de fora do muro das institui√ß√Ķes.

A ARTE DE FORMAR EDUCADORES PARA O USO INTELIGENTE DAS EMO√á√ēES (Edição 142)

Nesta alvorada da cria√ß√£o a humanidade continua recriando a eterna Era do conhecimento, com erros e acertos, desde que o homem deletou o e-mail do Criador e ¬ďtocou na √°rvore do conhecimento¬Ē.

TEMPO DE EDUCAR (Edição 141)

A fam√≠lia, a escola e a igreja s√£o institui√ß√Ķes que t√™m a responsabilidade de educar sistematicamente para a adapta√ß√£o do ser humano na sociedade.

M√ÉE (Edição 140)

Nem mesmo o código misterioso da comunicação foi capaz de rimar este nome perfeito: Mãe! Foi preciso traduzi-lo em versos, flores, abraços e homenagens este afeto tão singular - Mãe!

LIBERDADE (Edição 139)

A liberdade não é um pássaro voando no azul do infinito, sem destino, sem consciência: ser livre é ser infinito em cada destino, é saber porque e para que voar naquela direção.

A MULHER DA ERA P√ďS MODERNA (Edição 138)

A mulher da Era-p√≥s moderna deve aparecer nos editoriais ¬ďcompletamente desnuda de vulgaridade e totalmente vestida de intelig√™ncia¬Ē.

DESASTRE PEDAG√ďGICO (Edição 137)

A escola, devagar e na contram√£o, bateu de frente com a realidade universal. Muitos pularam antes do choque, mas n√£o conseguiram evitar o pior.

O NATAL EXISTE (Edição 136)

Vamos supor que nada do que os homens acreditam sobre o Natal fosse verdade?

ISTO √Č NATAL? (Edição 135)

Muito cuidado com aquele amontoado de gente suada de tanto correr para encontrar um presente...

COMO EDUCAR NA ADVERSIDADE? (Edição 134)

Professor, não espere reconhecimento pelo seu trabalho! Faça o melhor para você se reconhecer como educador na sua obra!

COMO VOC√ä V√ä? (Edição 133)

Clarisse Lispector diz: ¬ďSou como voc√™ me v√™. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como voc√™ me v√™ passar¬Ē.

A ARTE DE VIVER (Edição 132)

Viver √© se aproximar e, ao mesmo tempo, livrar-se de si mesmo, de ang√ļstias e ego√≠smos.

CENTEN√ČRIO DO EDUCADOR RAUL C√ďRDULA (Edição 131)

Professor Raul Córdula, educador paraibano, chegou a Magé no início de 1952, decidido a fundar uma Escola. O nome escolhido foi Ginásio do Instituto Pedagógico e logo tomou as providências.

MEM√ďRIAS DE UM EX-ESCRAVO REPRODUTOR EM MAG√Č (Edição 131)

Jo√£o Ant√īnio Guaraciaba nasceu no dia 20 de setembro de 1850.

MAM√ÉE, TUDO BEM? (Edição 130)

√Č comum o telefone tocar, periodicamente, e do outro lado da linha, uma voz perguntar: - Mam√£e, tudo bem? E a resposta vem, carinhosamente: - √Č voc√™, meu filho - tudo bem?

ANO NOVO (Edição 129)

Na tecelagem da grande m√°quina de viver, fomos preservados para tecer um caminho singular, demarcado por trezentos e sessenta e cinco dias, de horas e minutos, completamente desconhecidos.

OS GRITOS DO NATAL! (Edição 128)

¬ďH√° um rumor por toda parte: Jesus nasceu¬Ē!

√ČTICA DO EDUCADOR NO S√ČCULO XXI (Edição 127)

Nesta Era, vive-se um kit de Eras que se condensaram para confirmar o que foi escrito pelo rei Salom√£o, h√° mil anos a.C: ¬ďO que √© j√° foi; e o que h√° de ser tamb√©m j√° foi...¬Ē Ec 3:15.

O QUE √Č ESCRAVID√ÉO? (Edição 126)

Como se poderia definir o trabalho escravo? eria aquele em que o ser humano é visivelmente explorado pelo patrão, até à morte, visando lucro?

CONFISS√ēES DE UM MENDIGO (Edição 125)

Quando nasci, tive enxoval todo azul e o quarto decorado com figura dos heróis favoritos da época. Parecia um conto de fadas.

O VALOR DA FAM√ćLIA (Edição 124)

A família é resultado do projeto divino.

PARA QUEM TEM MAIS DE 65 ANOS (Edição 123)

Para quem tem mais de 65 anos

POR QUE O PA√ćS √Č T√ÉO RICO E A NA√á√ÉO √Č T√ÉO POBRE? (Edição 122)

Não precisa ser economista formado na Haward para ter certeza da origem do enriquecimento estrondoso e vertiginoso deste país.

HOMENAGEM √ÄS M√ÉES! (Edição 121)

Nem mesmo o código misterioso da comunicação foi capaz de rimar este nome perfeito: Mãe! Foi preciso traduzi-lo em versos, flores, abraços e homenagens o afeto singular da Mãe!

QUEM FOI PILATOS (Edição 120)

P√īncio Pilatos, homem de origem pleb√©ia, provem da fam√≠lia Pontii, com ra√≠zes no Sul da It√°lia. Pilatos pode significar homem armado com dardo-pilum; ou sem cabelos-pillus - calvo.

A PORTA FECHADA (Edição 118)

Conta-se que Dr. Fritz Kaufmann, um dos mais notáveis médicos alemães, reconhecido em toda a Europa, foi convidado pela Sociedade Médica Americana para tomar parte de um Seminário, em Nova York.

NATAL DE PAZ (Edição 117)

Os ¬ďhomens de boa vontade¬Ē est√£o lutando desesperadamente para mudar a pol√≠tica dos homens com m√° vontade de acertar.

N√ÉO FALTAM PROFESSORES NO BRASIL (Edição 116)

O Brasil tem as melhores faculdades de educação, elas têm conceito bom perante os olhos do órgão que as avaliam.

PERSPECTIVAS DA EDUCA√á√ÉO PARA UM MUNDO POSS√ćVEL (Edição 115)

Os maiores drag√Ķes do S√©culo XXI - a informa√ß√£o e o som mal usados, j√° come√ßaram a refletir na educa√ß√£o do imagin√°rio da humanidade

√Č IMPOSS√ćVEL EDUCAR SEM REGRAS DE VIVER! (Edição 114)

Todos os mestres da humanidade tomam como referência de disciplina a harmonia do universo.

A FILOSOFIA POPULAR SOBRE A MORTE (Edição 113)

Quando eu era criança, o velório era um acontecimento.

POR QUE DEVEMOS AMAR ESSA CIDADE? (Edição 112)

09 de junho! 446 anos! Salve Magé!

M√ÉE - SEJA UMA TV A CABO DO BEM! (Edição 111)

√Č muito triste, sim, assistir pelos meios de comunica√ß√£o, em tempo real, um epis√≥dio como esse que jornais do mundo inteiro estamparam...

CULTURA VISUAL - INSTRUMENTO DE CIDADANIA. (Edição 110)

Na antiguidade, o profeta Habacuque, que viveu 600 anos antes de Cristo, previu o valor da mensagem escrita em t√°buas, como ele mesmo recomendou que se fizesse, ¬Ēpara que lesse aquele que correndo ...

POR QUE NATAL? (Edição 108)

Os "herodes" modernos n√£o conseguem entender os sinais das estrelas e continuam abandonando milh√Ķes de crian√ßas pobres pelas ruas deste Brasil-Bel√©m.

MON√ďLOGO DA CRIAN√áA (Edição 107)

Sou criança! Cheguei, recentemente, de uma longa viagem, andei pelo caminho misterioso do pensamento dos meus pais e...

UM REI MUITO BOM (Edição 106)

Conta-se que um fanático rei mandou construir uma cama de ouro, muitíssimo valiosa, adornada com milhares de diamantes...

DIA DOS PAIS (Edição 105)

Segundo a tradi√ß√£o, quem criou o Dia dos Pais foi um jovem chamado Elmesu, na Babil√īnia, h√° mais de 4.000 anos.

CARACTER√ćSTICAS DA ESCOLA HUMANA (Edição 104)

Primeira - A escola humana não se apresenta como modelo, onde o sujeito vai, escolhe o manequim, veste a (beca) carapuça e sai diplomado, moderno, pronto, preparado para o futuro ...

A EDUCA√á√ÉO E A CIBERN√ČTICA SOCIAL (Edição 103)

A partir do aperfei√ßoamento da comunica√ß√£o, a humanidade j√° n√£o era a mesma, a linguagem do poder econ√īmico mudou definitivamente a comunica√ß√£o global.

DIA DAS M√ÉES (Edição 102)

M√£e, receba o reconhecimento desta sociedade antenada, blogada, conectada e classificada como era da meta informa√ß√£o, porque como diz o texto sagrado ¬ďo seu valor excede ao de muitas j√≥ias preciosas¬Ē.

O TESTAMENTO (Edição 101)

Todos nós temos um tesouro enterrado dentro de nós mesmos: os talentos, os dons, a vocação...

O PARA√ćSO (Edição 100)

A mulher chegou, olhou para o jardim, deu nome √†s flores, levantou a cabe√ßa, admirou o c√©u, o p√īr-do¬Ėsol era t√£o lindo, deslumbrou-se com os animais ao redor...

S.O.S. EDUCA√á√ÉO (Edição 99)

Somente a educação tem as ferramentas para socorrer, salvar e preservar a cultura brasileira.

NATAL! (Edição 98)

ssos corpos se enfeitam com a beleza da gratidão e as luzes da fé para compor o presépio de Natal na gruta da oração: Jesus Nasceu!

CONFISS√ēES DE UM MENOR ABANDONADO (Edição 97)

Eu sei que sou culpado, n√£o tive a capacidade de assumir a administra√ß√£o de minha vida, n√£o fui capaz de resolver as emo√ß√Ķes infantis nem consegui equilibrar-me sobre os obst√°culos que herdei...

PROFESSOR (Edição 96)

Algu√©m um dia se prop√īs a trabalhar na constru√ß√£o de vidas, estudou psicologia, filosofia e as melhores t√©cnicas de comunica√ß√£o.

A REVOLU√á√ÉO DAS FLORES (Edição 95)

Num vale florido, o perfume envolvia as abelhas que trabalhavam, com muito entusiasmo, compondo um belo cen√°rio com borboletas e beija-flores felizes.

DIA DOS PAIS (Edição 94)

A evolução do mundo acontece com tamanha velocidade que os filhos devem ser preparados, mais do que nunca, para respeitar seus pais.

POR UM MUNDO MELHOR (Edição 93)

O homem busca, em desespero, mas antes tarde do que nunca, a preservação do que sobrou neste Planeta.