JORNAL MILÊNIO VIP - Projeto Jogos Limpos inicia etapa socioeconômica

Notícias

Projeto Jogos Limpos inicia etapa socioeconômica

 

O plantio de 500 mudas de seringueira no município de Magé dará início, nesta quinta-feira, dia 6, às 10h, à fase socioeconômica do projeto Jogos Limpos, um dos mais abrangentes planos de restauração florestal em andamento no estado. 

Nesta nova etapa, o programa implementado pela Secretaria do Ambiente e pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) promove a recuperação ambiental de áreas de assentamento da reforma agrária, no sítio São João, em Magé, na comunidade da Vala Preta, no distrito de Piabetá, na Microbacia do Rio da Cachoeira Grande.

 

O plantio será realizado em regime de consórcio e combinação de espécies, com o emprego das mudas de seringueira produzidas pela Empresa de Pesquisa Agropecuária (Pesagro), com outras 500 mudas de espécies nativas arbóreas originárias da Mata Atlântica, de hortos sob supervisão da Gerência do Serviço Florestal do Inea. O plantio de seringueiras objetiva garantir incremento na renda das famílias envolvidas no médio prazo.

 

O Brasil já foi o maior produtor mundial de látex, mas atualmente importa 65% do insumo consumido internamente. A expectativa é que o desenvolvimento do setor de heveicultura (cultura da seringueira) aumente a produção que poderá ser absorvida com a aproximação de empresas que beneficiam borracha, como a Michelin e a Lemgruber, fabricantes de pneus e luvas cirúrgicas respectivamente.

Há cerca de 10 anos estão sendo desenvolvidos estudos com a seringueira no Estado, já existindo um acervo tecnológico que permite constituir planos de fomento e de desenvolvimento da atividade por meio do Investe Rio, programa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços.

A seringueira é uma das espécies recomendadas para a recuperação de áreas degradadas em sistemas florestais combinados com espécies nativas. O cultivo permite ao agricultor familiar realizar a extração do látex sem risco ao meio ambiente, uma vez que a produção é de material não madeireiro, e ainda permite a geração de renda sem supressão vegetal.

A heveicultura tem ótima rentabilidade para o agricultor, de R$ 2 a R$ 3 de lucro por planta mensalmente. Considerando que um hectare tem 500 árvores, o rendimento mensal pode ser de entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil por hectare. A seringueira é ótima para a recuperação de solos. Sobretudo, quando em associação com outras espécies vegetais, principalmente as arbóreas, podendo, portanto, ser cultivada com espécies nativas da Mata Atlântica, favorecendo a biodiversidade.

O Projeto Jogos Limpos é um dos compromissos ambientais do Estado para a realização dos Jogos Olímpicos – Rio 2016, e agrega oportunidades de emprego e de geração de renda em atividades de recuperação ambiental, segmento ainda carente de profissionais no Rio de Janeiro.

A perspectiva é de que sejam criados aproximadamente 2 mil empregos diretos no Estado em atividades como a limpeza e delimitação de áreas de plantio, marcação de árvores matrizes provedoras de sementes, coleta e beneficiamento de sementes, produção de mudas, plantio e manutenção das mudas por três anos consecutivos, a fim de garantir o sucesso da restauração.

Além de contribuir para a neutralização das emissões de carbono, a recomposição florestal das áreas degradadas será um dos legados ao Rio de Janeiro de conservação da biodiversidade e da paisagem, de minimização dos processos de assoreamento de rios, e favorecimento a produção vegetal sustentável.

O processo ainda visa à adequação ambiental de propriedades, ao incremento econômico da produção rural, à capacitação de mão de obra e a geração de empregos. A partir do programa serão identificadas árvores matrizes fornecedoras de sementes e garantida à restauração de áreas produtoras de água em ecossistemas associados ao Bioma Mata Atlântica.

A execução do plantio será realizado em regime de mutirão pela comunidade local com orientação de técnicos da Pesagro e do Inea. A manutenção das áreas recuperadas ao longo dos próximos três anos será de responsabilidade dos proprietários apoiados pelo projeto, com assistência técnica do órgão de pesquisa.


Serviço

Data: Quinta-feira (6/10), às 10h

Local: Estrada da Vala Preta, s/nº, na Associação dos Produtores Rurais da Vala Preta e Adjacências - Magé