JORNAL MILENIO VIP

Notícias

Comando de Magé vai ter um novo sobrenome

Rio -  Está chegando ao fim a primeira campanha eleitoral sem candidatos da família Cozzolino na disputa pela Prefeitura de Magé após 30 anos. A menos de um mês das eleições municipais, três candidatos disputam o posto. O atual prefeito Nestor Vidal (PMDB), a ex-prefeita Narriman Zito (PDT) e Ricardo Correa de Barros, o Ricardo da Karol (PSB).

Com os Cozzolinos fora da briga, o alvo da vez é Nestor Vidal, que assumiu o cargo depois de vencer a eleição suplementar feita na cidade em julho do ano passado — a nova votação foi marcada porque a prefeita eleita em 2008, Núbia Cozzolino (PMDB) e seu vice, Rozan Gomes da Silva (PSL), foram cassados. Hoje, a principal crítica é com relação ao sistema de saúde de Magé.

“Podem falar o que for da Núbia. Mas, com ela, a saúde funcionava. A própria população diz que o setor piorou depois que ela foi cassada. Os Postos de Saúde da Família não funcionam. Vou restaurá-los e construir o Hospital Central de Magé, em parceria com os governos estadual e federal, com capacidade de atender até 3 mil pessoas por dia”, prometeu Ricardo da Karol.

Narriman relembra o período em que foi prefeita, entre 2001 e 2004. “No fim do governo, deixei verba e um projeto para a construção do Hospital Materno-infantil, mas as obras não foram iniciadas até hoje. Vou construí-lo, reformar os hospitais de Magé e Piabetá e reimplantar todos os serviços criados na minha gestão”, garantiu a ex-mulher de José Camilo Zito (PP), prefeito de Duque de Caxias.

Nestor se defende: “Peguei um município com o orçamento totalmente comprometido. A saúde ainda não tem a infraestrutura necessária, mas já estamos construindo a UPA de Piabetá e vamos abrir uma Policlínica em Santo Aleixo com 80 leitos, que será referência na Saúde da mulher”.

Duas derrotas e duas cassações

A primeira vez em que os Cozzolinos ocuparam a Prefeitura de Magé foi em 1982, com Renato Cozzolino, que morreu em 1986. O sucessor foi seu sobrinho, também chamado Renato Cozzolino, que entregou a prefeitura ao primo Charles, em 1993.

Cassado após dois anos de mandato, ele conseguiu voltar ao cargo em 1995, ano da primeira derrota da família, quando Benito Cozzolino perdeu para Nelson do Posto. Em 2000, foi a vez de Núbia Cozzolino perder a disputa, desta vez para Narriman Zito. Quatro ano mais tarde, Núbia conseguiu ganhar e assumiu o poder. Em 2008, Núbia foi reeleita.

Acusada de desvios de recursos e de abuso de poder político e econômico, ela foi cassada no ano seguinte, e o atual prefeito Nestor Vidal entrou em cena.

Expectativa é criar 10 mil empregos em 4 anos

Com mais de 200 mil habitantes, Magé ainda tem boa parte da população trabalhando fora do município. Esta é uma preocupação dos candidatos. Segundo Ricardo da Karol, a prefeitura é a maior empregadora do município. Ele teme interferência na eleição.

 

“A taxa de desemprego é muito grande na cidade, mas a Prefeitura de Magé tem mais de 4 mil funcionários em cargos comissionados. Muitos são obrigados a fazer campanha e a participar de caminhadas. Eles votam em quem está no poder para manterem seus empregos”, afirmou o candidato do PSB.

Narriman Zito lembra que muitos trabalhadores perdem muito tempo entre idas e vindas do trabalho e pede mudança. “Ainda hoje, Magé é uma cidade-dormitório. Não há empregos aqui. Precisamos criar postos de trabalho para que nossa população não precise passar horas em conduções para o Rio de Janeiro”, disse a ex-prefeita, candidata do PDT.

O prefeito Nestor Vidal acredita que seja possível gerar empregos com a construção de um shopping e a instalação do Polo Petroquímico de Magé.

“A expectativa é criar 10 mil empregos nos próximos quatro anos. Só no shopping, que virá através de iniciativa privada, serão 2.500 vagas. Além disso, vamos trazer mais mercados para Magé, o que também vai abrir mais postos de trabalho”, disse o peemedebista.