JORNAL MILÊNIO VIP - Revisão da Tarifa de Pedágio Cobrado no Município de Magé

Notícias

Revisão da Tarifa de Pedágio Cobrado no Município de Magé

Publicado na edição 111 de Maio de 2011

Antes de mais nada, tendo em vista o presente mês, sirvo-me deste espaço para felicitar as mamães pela data tão apropriada. Tenho a convicção de que a figura da justiça não poderia estar tão bem representada, se não, na imagem de uma mulher. Minha mamãezinha, Dna. Elza Maria Pereira, feliz dia das mães!!! A todas as mamães feliz dia das mães!

Quanto ao assunto relacionado à CRT (REVISÃO NO VALOR DA TARIFA DE PEDÁGIO PARA OS QUE MORAM NO MUNICÍPIO DE MAGÉ) o qual nos propusemos tratar, agradecemos a adesão inicial dos amigos e dos novos amigos que conquistamos no decorrer desta caminhada. Temos certeza que este é apenas o começo da vinda de novas informações e conhecimento para os que moram no Município de Magé.
Por registro e tendo em vista o caráter público do mesmo, gostaria de mostrar ao leitor, a marcha processual de um dos processos que compõem o acervo de centenas, que é o de nº 0005008-17.2010.8.19.0029, que pode ser consultado no site do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, que é o www.tjrj.jus.br . Lá, para os que ainda tenham a natural desconfiança de todo esse projeto, se encontram os atos processuais praticados até agora.
Dentro de nosso propósito, informamos ainda que o DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE – DNIT declinou-se por não ter interesse nas demandas propostas contra a CRT, pois, segundo informação dada pelo próprio DNIT, no processo mencionado, a legalidade ou não da cobrança da tarifa de pedágios, não deve ser voltada ao DNIT, mas sim, a Concessionária (CRT) gestora do Contrato, isso com base na Lei 10.233/2001.


O mesmo se diga quanto a AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES – ANTT, onde o mesmo diz que a intervenção da ANTT, na ação se mostra indevida, pois não estaria defendendo interesse próprio, e nem lhe é imputada qualquer responsabilidade civil por ação ou omissão no seu poder de fiscalização.
Com isso, obtivemos um ponto muito positivo nas demandas, pois as ações continuarão a tramitar na Justiça Estadual, tal como esperado por nós, o que viabilizará a maior celeridade na resolução deste caso.
Esse é apenas um dos obstáculos que passamos até agora, temos a certeza que outros virão no decorrer destas ações, mas gostaria de dizer aos que nos acompanham que estamos extremamente motivados e confiantes com o nosso propósito, que é a redução do valor da tarifa de pedágio para os que moram no Município de Magé, e se necessário for recorreremos aos Órgãos Superiores para defender nossos propósitos.